O Legado do Trabalho Remoto em 2020

O Legado do Trabalho Remoto em 2020

Aconteceu no último dia 19/11 o segundo evento de aquecimento do Congresso de TI, nos convidando a debater e compreender melhor as diversas questões relacionadas ao Trabalho Remoto.

Para abrir o evento, contamos com a palestra “O Legado do Trabalho Remoto em 2020” da Ludmilla Rossi, co-fundadora do grupo Mkt Virtual e que hoje atua como CSO, com olhos voltados para as áreas de negócios e impacto da empresa.

Premiada em 2018 pelo World Summit Awards, na categoria saúde e bem estar com o Alpha Beat Cancer e em 2019 pelo Prêmio Brasil Criativo, por conta do projeto de economia circular e impacto social, o Juicybazar, a Ludmilla nos agraciou com uma excelente palestra, dinâmica e repleta de conteúdos super relevantes.

 

 

Pensando nisso, convidamos a Ludmilla para bater mais um papo conosco e o resultado você pode conferir agora.

 

Ludmilla, a sua palestra nos deu um panorama completo de como a nossa relação com os espaços de trabalho e o trabalho em si foi se modificando ao longo dos anos.

E como reflexo da pandemia, o ambiente de casa volta a ser também o de trabalho, como se estivéssemos revivendo um ciclo do início do século 19.

Considerando tudo isso, para você o que seria um modelo interessante de escritório a partir de agora?

A minha opinião está mais na linha do CEO do Google que a do próprio Zuckerberg, que tem uma visão de que os colaboradores devem escolher trabalhar de casa ou do escritório.  Eu e o futuro que a gente imagina aqui (e que o CEO do Google tem se movimentado nesse sentido) ele deve ser híbrido. 

Ou seja, o colaborador tem autonomia, e aqui nós buscamos trabalhar cada vez mais o pilar de autonomia, para entender os dias e as tarefas que ele se sente mais produtivo para fazer de casa e as tarefas que ele se sente mais produtivo para fazer do escritório.

Nós acreditamos muito no modelo híbrido e a nossa visão, nós que estamos full home office até hoje por conta da pandemia, o que a gente acredita é que quando tudo isso passar, a situação estiver mais sobre controle, a gente deve encaminhar para o modelo híbrido.

Uma das questões que você abordou está relacionada à contratação de alguém exclusivamente remoto, algo que não teria acontecido antes e essa “cultura da desconfiança” quando se trata de líderes e colaboradores no trabalho remoto.

Você mencionou ainda que no atual momento existe colaboradores trabalhando até mais que na rotina presencial no escritório.

A partir da sua experiência, qual o primeiro passo para líderes e colaboradores ajustarem isso de uma maneira mais suave?

Até porque pelas previsões, 2021 ainda será muito similar ao que temos vivido em 2020.

De fato a gente acredita que isso é um paradigma de como você vai adquirir e reter talentos no mercado de agora em diante. O que nós percebemos é que na nossa estrutura realmente teve muito trabalho e um processo de adaptação. Tiveram pessoas que não se adaptaram também. Então isso acabou gerando uma demanda extra.

Fizemos várias tentativas, até para se auto educar mesmo, de evitar contato com as pessoas em horários que não fosse horários comerciais. Toda essa auto disciplina fez parte das conversas com as lideranças ao longo deste ano.

E que nós entendemos é que primeiro tem uma questão de educação que é interna, mas também tem uma questão que é preciso abrir esse diálogo com os clientes, porque ninguém quer trabalhar muito a mais por livre e espontânea vontade, ninguém quer ter cargas e jornadas de trabalho por decisão própria.

Geralmente as pessoas têm uma intuição de ter um equilíbrio bom, mas a gente tem, especialmente numa empresa de serviços como é o nosso caso, os clientes como o pilar dessa relação.

Então se o cliente, digamos assim, espirra, ou a falta de planejamento ou de repente demandas urgentes para o time dos parceiros e dos fornecedores como é o nosso caso, você pode ter um reflexo muito alto aí na nossa estrutura.

Então basicamente a gente tenta atuar da porta pra dentro, mas tenta atuar da porta pra fora também, mostrando para os clientes quais são os limites e porque esses limites são importantes.

Considerando a sua apresentação e as proposições que surgiram durante a sua palestra no Congresso, se você pudesse acrescentar mais 1 ponto como legado do trabalho remoto em 2020, qual seria?

Acho que estamos caminhando para um modelo que autonomia e confiança vão ser muito essenciais para que as empresas se tornem competitivas e frutíferas.

Eu estou começando a ler agora e mergulhar num conteúdo de um livro chamado Liderança Shakti e é muito importante que por mais que ele não aborde especificamente a questão da pandemia, eles falam muito da jornada heroica.

O livro fala muito do equilíbrio da energia feminina e da energia masculina. Então eu acho que ele conversa muito, muito mesmo com esse momento de reconstrução que a gente vai viver. 

Tem um gráfico que eu gosto muito e que ele começa assim: Tirado da normalidade; confrontando-se com um mundo desconhecido; descobrindo a sua grandeza; desenvolvendo novas capacidades; libertando o poder e compartilhado com o mundo.

É praticamente uma jornada heroica de 4 estágios que é: Crise, trauma, transformação e dom.  Então eu acho que tem muito a ver e esse seria um ponto que eu adicionaria para o meu conteúdo.  E para quem tiver interesse em se aprofundar, pode buscar aí a essa referência que é a Liderança Shakti.

O que você gostaria de ver nas próximas edições do evento?

Eu gostei muito do evento, eu consegui acompanhar algumas palestras depois, e eu enxergo que toda parte de tecnologia, eu que comecei nessa área muito cedo, muito jovem e sempre foi uma área muito, digamos assim, técnica, fria, masculina…

Eu acredito que a tecnologia ela está aí justamente para libertar a gente pra fazer coisas nas quais de repente possamos usar mais o nosso lado humano. Então eu acho que essas discussões são bem interessantes. Não é como a tecnologia substitui, não é o replacement, mas sim como a tecnologia ajuda a libertar a gente pra fazer e de fato extrair o melhor das nossas habilidades humanas.

Por fim, como foi a sua experiência palestrando no Congresso?

Confesso que eu fiquei muito honrada com o convite da Carol e do Marco, mas eu confesso também que eu estava um pouquinho nervosa porque eu vi que ia ter um time de muito peso. Então abrir o evento, ser a primeira palestra me deu uma certa ansiedade, porém foi muito bom eu super agradeço. Eu gostei muito do feedback do público, do contato com o público e contém comigo aí para as próximas edições.

Curtiu? Nós adoramos!

Mais uma vez o nosso obrigada à Ludmilla.

E não se esqueça, na próxima semana, de 07 à 10/12 nós teremos a 7ª Edição do Congresso de TI, repleta de convidados e palestras de peso.

Se ainda não se inscreveu, aproveita para fazer isso agora.

Uma excelente oportunidade para conhecer a LGPD em todas suas dimensões.

Uma excelente oportunidade para conhecer a LGPD em todas suas dimensões.

Depois da entrada em vigor da Leis de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) muitas empresas ainda subestimam os esforços necessários e quais os melhores caminhos para garantir o compliance, tanto do ponto de vista de tecnologia como jurídico.

O primeiro desafio não é só uma questão de nivelar a cultura dos colaboradores em relação ao uso de dados pessoais, mas como incorporá-los no dia a dia de maneira que essa iniciativa seja um diferencial de marketing e negócios das organizações.

O processo de adoção das exigências da LGPD não deve ser encarado apenas como uma corrida de obstáculos para se cumprir as exigências da LGPD, mas uma iniciativa contínua e permanente, com ações alinhadas entre as áreas de tecnologia e jurídica.

3a edição do Data Protection Forum traz um conteúdo atualizado, esclarecendo as dúvidas técnicas e jurídicas que foram levantadas nos últimos meses pelas organizações, de maneira a proporcionar aos profissionais de todas as áreas uma visão crítica e real sobre a adoção da LGPD e toda suas implicações. Uma excelente oportunidade para conhecer a LGPD em todas suas dimensões.

Fonte: https://dataprotectionforum.com.br/

Apoio de: